Obrigada Mãe

Imagem de Artem Maltsev no Unsplash

Mãe, doce palavra que nos aquece o coração. 

Mãe, esse ser cheio de luz que, com uma bondade infinita, nos gera, milagrosamente, dentro de si e nos ama desde o primeiro minuto. 

Mãe, aquela que daria a vida pelos seus filhos, vezes sem fim, que os coloca em primeiro lugar em cada segundo da sua vida, que se transforma interiormente e preenche o seu coração com um amor infinito desde o primeiro segundo que olha para os seus filhos. 

Mãe, esse papel tão mágico como difícil, cheio de desafios, de altos e baixos, inseguranças, incertezas, de vontade de dar o seu melhor, mesmo que, por vezes, achemos que o nosso melhor não foi o suficiente. 

Mãe, que vê os seus filhos crescer e carrega no seu olhar uma luz e amor infindáveis. 

Mãe, que desejou tanto ter um filho, mas que, por razões que não compreende nem entende, não conseguiu levar a sua gravidez até ao fim e viu partir o seu filho, mesmo antes de o conhecer. 

Mãe, que tanto amou o seu filho, mas que o viu afastar-se de si e nunca mais soube nada dele e vive os seus dias de coração dilacerado, ansiosa para que chegue o dia em que terá notícias do seu filho desaparecido. 

Mãe, que deu asas aos seus filhos, ensinou-os a voar e viu-os sonhar com uma vida melhor noutro país, longe de si, e “mata as saudades” através de longas chamadas de vídeo. 

Mãe, que devido ao divórcio vê os seus filhos divididos entre duas casas e que, cada vez que os vê sair, sente que eles levam uma parte do seu coração. 

Mãe, que tem uma capa dura que a impede de mostrar os seus sentimentos, marcada pela dureza e dificuldades da vida, mas que ama os seus filhos incondicionalmente, apenas não o sabe demonstrar. 

Mãe, que tinha tantos sonhos para a sua vida, mas prescindiu de todos para se dedicar ao seu filho. 

Mãe solteira, que desde pequena, ao ver os filmes da Disney, sonhou com o seu príncipe encantado e com o famoso final “viveram felizes para sempre”, mas que se viu sozinha, com um filho nos braços bem como o seu coração e sonhos destruídos.

Um obrigada a todas as mães que, diariamente, entregam a sua vida pelos seus filhos. Que dão o melhor que podem, que buscam forças e nem sabem de onde, que lutam, sem baixar os braços, para criar os seus filhos e para que nada lhes falte. 

Obrigada a todas as mães por todo o amor diário. Só Deus conhece as incertezas, as tristezas, as dores que carregam no seu coração e que escondem em mais um dia de luta. 

Um grande abraço, cheio de esperança e carinho a todas as mães que perderam o seu filho, o seu bem mais precioso.Um grande abraço a todas as mulheres que sonhavam ser mães e que, infelizmente, não concretizaram esse sonho. Um grande abraço a todos os filhos e filhas que perderam a sua mãe. Que Nossa Senhora, a mãe de todas as mães, vos ampare e ajude a caminhar diariamente e a serenar o vosso coração. Maria conhece cada uma das vossas lágrimas, cada uma das vossas dores, porque também ela perdeu um filho. 

Obrigada Mãe, porque todos os homens e mulheres são o que são hoje devido às suas mães, porque carregam dentro de si a força, coragem, luta, determinação, amor e valores que elas mostraram ao longo do caminho. 

Maria, ampara o caminho de todas as mães, ilumina os seus passos, as suas decisões, as suas lutas diárias e enche-lhes o coração de amor. Maria, protege todas as mães e os seus filhos. 

Deixar um comentário