imagem de vários balões de ar quente a voar

Os caminhos que nos levam a Cristo

Imagem de Lena L no Unsplash

Tende cuidado, irmãos, que nenhum de vós tenha um coração mau e incrédulo, que o afaste do Deus vivo.
Exortai-vos uns aos outros todos os dias, enquanto dura o tempo que se chama «hoje», para que nenhum de vós se endureça, seduzido pelo pecado. Porque todos nós nos tornamos participantes de Cristo, desde que mantenhamos firme até ao fim a confiança inicial.

Hebreus 3, 12-14

Neste excerto do capítulo 3 da Carta de São Paulo aos Hebreus, somos chamados a abrir os nossos corações à verdade que é Cristo. Para estar verdadeiramente com Cristo temos de nos entregar. A entrega sincera e despojada das nossas vidas depende da nossa vontade em querermos ser acolhidos nos braços do Senhor.

Jesus diz-nos que, para o seguirmos, teremos um caminho difícil à nossa frente. Preparem-se todos para a verdadeira provação que começa com o vosso sim verdadeiro. 

Imaginem-se dentro de um balão de ar quente que começa a subir lentamente. Esta subida inicia-se com o nosso sim verdadeiro. 

O balão vai subindo consoante vamos deitando fora os sacos de areia que representam a nossa vida: temos o saco dos vícios, o saco das falsas crenças, o saco das mágoas, das feridas por sarar, o saco do apego, o saco das preocupações do mundo…

À medida que vamos deitando fora cada saco vamos subindo e subindo, tendo a certeza de que lá no alto está um amigo, um Pai com um banquete preparado, uma verdadeira festa onde há música, dança e alegria. Na mesa principal está Jesus, à espera para cear connosco. Pacientemente, acompanha a nossa viagem de balão e aguarda, pois a festa verdadeira só começa quando os convidados estão todos.

Durante o percurso vamos tendo vários fatores que nos ajudam a deitar fora saco por saco: a Santa Eucaristia, onde Jesus se liga intimamente a nós e a leitura e meditação da Santa Palavra, ambos são o GPS da nossa viagem e guiam-nos pelo caminho a seguir, dando orientações para chegarmos ao destino. Atenção, o GPS não conduz por nós, ele apenas orienta, quem decide o percurso somos sempre nós. 

Durante o percurso, vamos tendo a exortação dos companheiros de viagem, que nos confirmam que estamos a ir pelo caminho certo e que podemos confiar na orientação do GPS. Vamos ter outros companheiros que, pelo contrário, nos mostram que há atalhos, onde tudo parece bem mais fácil e rápido, sem ser necessário deitar fora sacos de areia –  aqui teremos de escolher em quem acreditar: nos que confirmam o que diz o GPS ou naqueles que apontam um caminho de facilitismo. 

A escolha é SEMPRE nossa.

Consoante as nossas escolhas, assim é a nossa firmeza na orientação verdadeira, às vezes as palavras mais duras são as que o nosso coração precisa e muitas vezes as palavras mais doces são as que nos desviam deste verdadeiro GPS. Mesmo que o caminho certo esteja cheio de ventos fortes e tempestades que nos empurram para baixo, uma coisa temos muito certa: Jesus está na mesa à nossa espera e, se nos mantivermos firmes até ao fim, todos nos tornaremos participantes na Sua ceia, mesmo que quando chegarmos à Sua presença, as nossas roupas estejam encharcadas das tempestades e contratempos do caminho, pois significa que mantivemos até ao fim a confiança na Sua orientação e no trajeto que traçou no GPS do nosso balão.


2 comentários

  1. Belíssimo ensinamento transmitido através de uma metáfora tão simples e cheia de verdades… deitar fora todo o lixo que nos sufoca e enchermo-nos da Sua graça …🕊 Obrigada Susana e a todos as Mulheres de Samaria! Deus seja louvado pela inspiração que vos dá, dom do Espírito Santo🕊🙏

Deixar um comentário