imagem de pés na areia com a água do mar quase a alcançá-los

Servir ou ser servido

Que caminho escolhes?

Fotografia de Abbie Bernet no Unsplash

Ora, se Eu, o Senhor e o Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns aos outros. Na verdade, dei-vos exemplo para que, assim como Eu fiz, vós façais também.

(João 13: 14-15)

Vivemos a Quaresma até este dia, agora iniciamos o Tríduo Pascal, os dias que antecedem a celebração mais importante da vida de um cristão, a Páscoa. O momento a partir do qual proclamamos “Aleluia”, porque o nosso Salvador ressuscitou, venceu a morte! Até lá percorremos o caminho como meros pecadores. Mas seremos pecadores conscientes do nosso pecado? Com o coração contrito e arrependido? Percebemos a dimensão do amor tão perfeito de Jesus e queremos, assim, seguir o Seu exemplo? Ou vivemos despreocupados com o nosso pecado? Sem sequer almejar pela salvação?

Há dois mil anos, na Última Ceia, sabendo o que Lhe ia suceder, preparou os seus e deixou-nos a maior herança, a instituição do Sacramento da Eucaristia como memorial da sua Morte e Ressurreição, a celebrar pelos séculos dos séculos, mas sendo sempre atual.

É uma celebração dominada pelo sentimento do amor de Cristo na véspera da sua Paixão.

Tomou, então, o pão e, depois de dar graças, partiu-o e distribuiu-o por eles, dizendo: “Isto é o meu corpo, que vai ser entregue por vós; fazei isto em minha memória.”

Depois da ceia, fez o mesmo com o cálice, dizendo: “Este cálice é a nova Aliança no meu sangue, que vai ser derramado por vós.” 

(Lucas 22: 19-20)

Durante a Ceia, Jesus deu-nos o maior exemplo de serviço, lavou os pés aos doze, exemplo de piedade, submissão e humildade. 

Hoje em dia, muitas vezes, este ato é reproduzido em cerimónias próprias deste tempo – Missa da Ceia do Senhor, em que o sacerdote escolhe também doze “discípulos” para lhes lavar os pés, um gesto simbólico, mas de grande importância. O lavar dos pés, é realizado num sentido de demonstrar/pedir perdão, concedendo uma graça salvadora a quem a recebe. Como que “eu perdoo-te” ou “perdoa-me”, que liberta os corações.

Jesus dá-nos uma perspetiva diferente sobre a forma como devemos encarar a vida. Ensina-nos que o dom recebido deve ser partilhado, mas isso não basta, também deve ser colocado à disposição de todos, a começar pelos mais carentes. O dom é, ao mesmo tempo, graça e missão. E quem não tem dons? O dom de ensinar, o de ouvir, o de escutar quem precisa, o de dizer palavras amigas, o de ajudar… O dom pode surgir em nós de tantas formas! Mas os dons não devem ser guardados para nós, devem ser postos ao serviço (como Ele nos veio ensinar) por isso, devemos ser sensíveis às necessidades dos outros.

No lava-pés, na Última Ceia, o Senhor assume, em tudo, a condição de servo, para servir.

Com este gesto, Ele ensina-nos a caridade, não há serviço sem nos despirmos de todas as aparências de poder, de força, de prestígio. Não é possível amar se nos colocarmos longe do outro. Amar é tocar de perto, ajudar, caminhar juntos… Neste gesto de elevação Jesus revela um amor “físico”, de contacto corporal e de serviço, de ajuda humana e de dignidade. Ele não quis só ensinar, dar comida, mas aproximar-se, ajoelhar-se, lavar.

O gesto de Jesus no lava-pés expressa o que Ele é. Ele é inteiramente servo. Todo o Seu ser está ao serviço. Ele dá-se naquilo que faz e faz o que propõe aos discípulos, é o Seu primeiro exemplo.

Sejamos, cada um de nós, alguém que, na admiração da gratidão, se aproxima deste gesto ousado de Jesus, a fim de purificar sentimentos, endireitar caminhos e aprofundar a caminhada com os irmãos.

Sejamos capazes de nos identificar com Jesus e encontremos na contemplação, a postura mais envolvente para podermos ver cada milagre e, sensibilizados, abrirmo-nos à dimensão maior do serviço a Ele e aos outros, por pura gratuidade.

A vontade é Dele, o sim é nosso.

E tu, qual é o caminho que queres seguir?


2 comentários

  1. Olá! Bom dia.
    Não basta olhar para o que Jesus nos ensina, é preciso ir mais além, um além que não tem fim. Se olharmos no concreto o que nos mostram tantos exemplos de Jesus, deve-nos levar a sair de nós e partirmos ao encontro. Jesus deixou-Se humilhar para servir, pois queria e desejava ir mais além, um além não para Seu benefício, mas sim, em favor do próximo, para Glória do Pai.
    Saiba eu também olhar mais além, deixando que meus olhos e coração sejam ocupados pelos Olhos e Coração de Jesus, pois só assim, co seguirei ir mais além, onde só por mim, não é possível.
    Santa Páscoa para todos.

Deixar um comentário